terça-feira, 30 de junho de 2009

Milito vai para a Inter de Milão


O Inter de Milão anunciou oficialmente nesta terça-feira a contratação do atacante argentino Diego Milito, que estava defendendo o Genoa.

Milito, que assinou contrato até 2013, despertou o interesse do campeão italiano depois de marcar 24 gols na temporada passada pelo clube genovês.

No fim de maio, o presidente do Genoa Enrico Preziosi já tinha confirmado a transferência do artilheiro para Milão, porém sem a confirmação da diretoria nerazzurri.

Por outro lado, o atacante italiano Robert Acquafresca, que estava emprestado ao Cagliari, segue o caminho inverso, já que foi negociado em definitivo para o Genoa.
fonte:Globo.com

domingo, 28 de junho de 2009

O pior penalti de todos os tempos

Esse foi batido em uma partida da Eurocopa 2009 sub 21, por um 'craque' da Inglaterra.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

A Claudia e o futebol, nunca se entenderão. Parte I


A Cláudia é a minha esposa, não curte futebol e para sua tristeza está cercada por 4 homens apaixonados pelo esporte.
Eu e os nossos 3 filhos consumimos futebol no café da manhã, almoço, janta etc..
Vemos da Champions League ao Campeonato da séri B do Brasileirão.
Hoje não foi diferente:
Jogo legal Guarani x São Caetano, sentamos na sala e estávamos assistindo o Guarani ganhar de 1 x 0 do São Caetano. Nessa hora, desce a minha esposa e mãe dos três, tomou banho, pára na nossa frente e olha para a TV, o jogo estava passando na SporTv e na tela o placar: GUA 1 X 0 SCA, ela de uma tacada só disse em protesto:
- Vocês estão assistindo Guaratinguetá e Scania?

quarta-feira, 24 de junho de 2009

My game is fair play

Denílson deixa time do Vietnã depois de jogar apenas 45 minutos

O ex-craque Denílson estreou no último domingo no Haiphong Cement, do Vietnã, e marcou um gol de falta nos 45 minutos em que esteve no gramado. E foi tudo o que o brasileiro fez na sua aventura na Ásia. Alegando problemas físicos, o jogador abandonou o time e vai deixar o país.

Denílson chegou ao Vietnã no início do mês e causou furor na torcida local, que chegou a lotar o estádio do time com 30 mil pessoas no dia previsto para a sua estreia. Mas o brasileiro alegou problemas no joelho e não ficou nem no banco, decepcionando a todos.

O jogador ficou fora de outra partida antes de estrear no domingo. Em seu primeiro jogo, Denílson marcou um gol, mas deixou o campo no intervalo devido a uma lesão na perna direita. Mesmo assim, seu time venceu o Hoang Anh Gia por 3 a 1 e interrompeu uma série de resultados negativos.

Em seguida, a Federação Vietnamita de Futebol informou que o brasileiro deixou o time e vai sair do país. "Mais uma vez, os torcedores ficaram tão chocados quanto com a sua surpreendente chegada há alguns dias", informou um comunicado da federação local.

O jogador de 31 anos foi para o Vietnã depois de uma rápida passagem pelo Itumbiara, de Goiás, no início deste ano. Em seu acordo com o time vietnamita, o brasileiro era pago por jogo. Ele recebeu US$ 12 mil por partida, mais um bônus de US$ 5 mil por gol marcado.

Em 1998, Denílson foi protagonista da transferência mais cara do futebol mundial até então, quando saiu do São Paulo e foi para o Bétis, da Espanha, por US$ 35 milhões.

Fonte: UOL

domingo, 21 de junho de 2009

Brasil X Itália. Jogão, sempre.


Um jogo entre Brasil e Itália não é simplesmente uma partida de futebol. Nem mesmo um amistoso pode ser desprezado. Quando as duas seleções se encontram, a história também entra em campo. Hoje, no Loftus Versfeld, de Pretória, às 15h30, não será diferente. Os italianos têm de vencer. Aos brasileiros, basta até uma derrota por um gol de diferença para garantir vaga nas semifinais da Copa das Confederações.

Com empate, o Brasil garante o 1º lugar do Grupo B. Derrota por até um gol dá a classificação, mas não a certeza de ser o campeão da chave. Os italianos têm de vencer e torcer para que o Egito não passe fácil pelos norte-americanos, que sonham.

Todas essas contas ficam em segundo plano quando se olha para os dois rivais. Não há uma garantia de que um é melhor do que o outro, apesar do bom momento dos brasileiros de Dunga. Do lado de lá, há muita tensão e incertezas. Para se ter uma ideia do estrago que o Egito, país das múmias, provocou nos italianos, basta ver a manchete de ontem da La Gazzetta dello Sport, a bíblia do futebol deles: "A múmia somos nós."

Dunga não tem nada com isso. O seu time vive um grande momento e, apesar do desgaste físico dos principais jogadores, o técnico terá todos os titulares à disposição. Voltam o zagueiro Juan e o meia Elano, que ficaram fora da vitória (por 3 a 0) fácil contra os Estados Unidos.

Mais que o time na mão, Dunga tem absoluta certeza de que encontrou o caminho certo para conduzir a seleção ao topo. Sua estratégia passa pela marcação forte no seu campo e a pressão no território do inimigo. E, a maior aposta, os letais contra-ataques capitaneados por Kaká. Quanto ao bom momento da sua equipe e o estado nevrálgico da Itália, Dunga prefere a cautela. "Não se pode falar em favoritismo em um jogo como esse."

O treinador tem razão. O tempo está aí para provar. Na Copa de 1982, o Brasil era o grande favorito. Perdeu por 3 a 2, derrota que assombrou o mundo e tem eco até hoje. Em 1970, no México, a seleção de Pelé e companhia era barbada. Venceu por 4 a 1 e levou a Taça Jules Rimet.

O detalhe é que hoje, dia 21 de junho, comemoram-se 39 anos da conquista do tri em 70. Mais um capítulo desta história será escrito.
texto: Estadão.com

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Mais uma vez fora de uma Libertadores, Luxa promete título.


Alvo da ira da maior torcida organizada do Palmeiras nas derrotas e até mesmo nas vitórias, Vanderlei Luxemburgo admitiu que é difícil conviver com as críticas constantes. Mas o treinador prometeu até mesmo dar um título para a torcida.

Luxa, contra as pressões e bancado pela diretoria, aposta em ficar até o fim do Brasileirão e renovar seu contrato com o clube.

- É duro você chegar ao estádio e ouvir a Mancha dizer que sou mercenário. A torcida tem de estar junto. A torcida do Palmeiras tem 15 milhões. A Mancha tem o que? São 11 mil. Isso não ajuda - disse o treinador, nesta quarta-feira, em Montevidéu, após a eliminação para o Nacional (URU), na Copa Libertadores.

- O torcedor do Palmeiras tem orgulho desse time e sabe da minha competência. Vou dar títulos para o clube de novo, até para a Mancha, porque eles são palmeirenses. Aí vão mudar o discurso - completou.

O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo já afirmou que não mexerá na comissão técnica e mandou recado a torcedores e conselheiros que já vem pressionando desde o fim do Paulistão.

- Eu prometi à torcida do Palmeiras que teremos um time competitivo, que vai disputar todos os campeonatos. Mas não decido nada na pressão e na gritaria. Eu já escrevi carta para muita gente sobre isso. Não vou mudar o pensamento. O Palmeiras está indo muito bem - afirmou o presidente.

fonte: Lancenet

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Dispensa por atacado no Flamengo


Com uma folha salarial de quase R$ 3 milhões mensais, o Flamengo deve começar a fazer uma limpa em seu elenco para reduzir os astronômicos gastos. Quem deve puxar a fila da barca é o volante Jônatas, assim como os atacantes Maxi e Josiel.

O primeiro destes citados voltou ao Flamengo em janeiro de 2008 e desde então fez apenas 35 partidas, marcando um gol. Com um salário de cerca de R$ 120 mil, o camisa 5 custou ao clube por volta de R$ 61 mil a cada jogo realizado.

O argentino Maxi, que também não tem sido aproveitado pelo técnico Cuca, está no clube desde julho de 2007 e fez apenas 64 partidas. Com sete gols pelo Flamengo, o atacante custa em torno de R$ 45 mil por jogo com a camisa rubro-negra.

O atacante Josiel, artilheiro do time na temporada com 13 gols, recebe cerca de R$ 140 mil por mês e fez com que o Flamengo gastasse por volta de R$ 51 mil a cada um dos 30 jogos que realizou.

Jônatas e Josiel devem voltar para seus clubes, Espanyol (ESP) e Al-Wahda (EAU), respectivamente. O argentino Maxi tem sondagens de clubes sul-americanos.
fonte: Lancenet

domingo, 14 de junho de 2009

Os campinhos de futebol


Opinião

A gente não aprende mesmo, o futebol é o esporte que menos inova, que tem a maioria de dirigentes amadores, que tem clubes paupérrimos, ídolos que se vão cedo, traz angústia, tristeza, mau humor. Claro, alegria, paixão e paupitação a 180 por segundo.
Falamos que o nosso futebol tá uma droga, vê a organizaçào de uma Premiere League (Inglaterra) e soca pau no Brasileirão, vemos Gerrard, Cristiano Ronaldo, David Villa, Iniesta, Casillas, Van Der Vaart, Van Persie, Lampard, Ballack e babamos, elogiamos, são disparados os melhores do mundo se comparados aos nossos Marquinhos, Paulinhos, Renatos, Brunos etc...
Mas aí chega a hora do jogo, não da Seleção Brasileira estou falando dos times profissionais e dos subs 20, 19, 18, 17, 16, 15, 14, 13, 12...e vemos no final o que acontece.
São Paulo arrebenta com Milan, Barcelona E Liverpool, Flamengo acaba com o Liverpool, O Internacional destroça o Barcelona imbatível, aí ficamos sabendo dos subs, os Brasileiros vào jogar na Europa, na Asia e nos Estados Unidos em torneios oficiais e simplesmente levam tudo, ganham de Manchester, Real Madrid, Arsenal, Barcelona e assim vai.
Os brasileiros compram na maioria esmagadora produtos piratas de seus times, mesmo sabendo que isso prejudica bastante o seu clube, também uma camisa oficial a R$ 149,90 é duro..
Lá fora, visitei o Barcelona e o Real Madrid e seus estádios Camp Nou e Santiago Bernabéu respectivamente. Você visita, conhece a história dos clubes fazendo um tour, entra nos vestiários e na saída obrigatoriamente passa pelas lojas oficiais, que vendem de papel higiênico dos adversários à camisas oficiais dos centenários autografadas.
Os times são milionários em razão das suas receitas, muito mais pela venda de camisas e participações em torneios específicos convidados por federações do mundo todo, entram dólares, Euros e Libras, compram estrelas mundiais, vendem mais, e assim por diante criando um círculo maravilhoso.
Os clubes brasileiros, com raríssimas exceções, têm banheiros e não vestiários, geralmente arrebentados, sujos, faltando pintura, chuveiros enferrujados, guarda ropuas quebrados (já ví uns 3 aqui em SP), devem muito, devem aos jogadores, devem para as federações, devem para a Rede Globo, devem para o INSS, devem para diretores e assim vai também.
Mas aí chega a hora do jogo.
Paulada brasileira na grande maioria das vezes.
Tem uma coisa que não tem dinheiro que compre, desorganização que atrapalhe e incompetencia que destrua e tem um poder inabalável:
Os campinhos de futebol.
É lá que surge o nosso talento e dom, é lá que a molecada nasce para o futebol mundial.
Passando por um campinho de futebol e ser aprovado, jogar em qualquer Camp Nou ou Santiago Bernabéu é moleza, é batata, é "na boa".

Viva os campinhos de futebol.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Frases geniais de jogadores de futebol



Recebi essa coletânea deliciosa de um amigo, valeu Chico!
Frases incríveis de jogadores de futebol, vale a pena.

'Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu.'
(Claudiomiro, ex-meia do Inter de Porto Alegre, ao chegar em Belém do Pará para disputar uma partida contra o Paysandu, pelo Brasileirão de 72)

'Que interessante, aqui no Japão só tem carro importado.'
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.' (
Bradock, amigo de Romário, reclamando de um passe longo)

'No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias.'
(Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos)

'Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe.'
(Jardel, ex-atacante do Vasco, Grêmio e da Seleção)

'Eu peguei a bola no meio de campo e fui fondo, fui fondo, fui fondo e chutei pro gol.'
(Jardel, ex- jogador do Vasco e Grêmio, ao relatar ao repórter o gol que tinha feito)

'A bola ia indo, indo, indo... e iu!'
(Nunes, jogador do Flamengo da década de 80)

'O Sócrates é invendável, inegociável e imprestável.'
(Vicente Matheus, ao recusar a oferta dos franceses)

'Na Bahia é todo mundo muito simpático. É um povo muito hospitalar.'
(Zanata, baiano, ex-lateral do Fluminense, ao comentar sobre a hospitalidade do povo baiano)

'Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramático.' (Vicente Matheus, eterno presidente do Corinthians)

'Chegarei de surpresa dia 15, às duas da tarde, vôo 619 da VARIG.'
(Mengálvio, ex-meia do Santos, em telegrama à família quando em excursão à Europa)

'Tanto na minha vida futebolística quanto com a minha vida ser humana.'
(Nunes, ex-atacante do Flamengo, em uma entrevista antes do jogo de despedida do Zico)

'As pessoas querem que o Brasil vença e ganhe.'
(Dunga, em entrevista ao programa Terceiro Tempo)

'Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja.'
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'O novo apelido do Aloísio é CB, Sangue Bom.'
(Souza, meio-campo do São Paulo, em uma entrevista ao Jogo Duro)

'A partir de agora o meu coração só tem uma cor: vermelho e preto.'
(Jogador Fabão, assim que chegou no Flamengo)

'O meu clube estava a beira do precipício, mas tomou a decisão correta, deu um passo a frente.'
(João Pinto, jogador do Benfica de Portugal)

'O difícil, como vocês sabem, não é fácil.'
(Vicente Matheus)

'Haja o que hajar, o Corinthians vai ser campeão.'
(Vicente Matheus)

Agora compare o salário deles com o seu, e chore.....

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Cristiano Ronaldo é do Real Madrid por 93 milhões de Euros


Como antecipado aqui no nosso Blog, no dia 5 de maio:
Na maior transação da história do futebol mundial o Real Madrid acaba de fechar a compra de Cristiano Ronaldo.
Depois de gastar 65 milhões de euros (cerca de R$ 176,7 milhões) para tirar o brasileiro Kaká do Milan, o Real Madrid concluiu nesta quinta-feira a transação com o Manchester United.
A proposta de 80 milhões de libras (ou 93 milhões de euros) feita pelo clube espanhol e aceita pelo Manchester United pelo meia-atacante Cristiano Ronaldo faz do jogador português a contratação mais já alta já realizada.

O recorde anterior pertencia o próprio Real, que pagou 78 milhões de euros (aproximadamente R$ 212,1 milhões), em valores atualizados, pelo francês Zinedine Zidane, então na Juventus, em 2001.

"A pedido de Cristiano Ronaldo, que expressou mais uma vez seu desejo de partir, e após uma discussão com o representante do jogador, o [Manchester] United autorizou o Real Madrid a conversar com o atleta", disse o clube em seu comunicado oficial. "O Manchester United considera que o assunto estará encerrado e não emitirá nenhum outro comunicado."

Para concretizar o negócio e anunciar a contratação, o Real aguarda apenas ouvir o "sim" do português. O que não deve ser um entrave, já que Ronaldo expressou no passado o interesse em defender a equipe de Madri.

Com Kaká e Cristiano Ronaldo, duas das três contratações mais caras da história do futebol e vencedores dos prêmios de melhor jogador do mundo nos dois últimos anos, o Real Madrid já reconstrói o "projeto galáctico", que marcou sua trajetória na primeira metade da década.

Dirigente responsável por levar Zidane, Beckham, Ronaldo e Owen à Espanha, Florentino Pérez reassumiu a presidência do clube na semana passada prometendo novamente grandes contratações.

Segundo a imprensa espanhola, Pérez tem pelo menos dois outros alvos dignos de ser chamados de "galácticos". O meia-atacante francês Franck Ribéry (Bayern de Munique) e do centroavante sueco Zlatan Ibrahimovic (Inter de Milão) são transferências cotadas.

fonte: Folha online

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Grandes Momentos do Futebol

Algumas cagadas, dribles e golaços. Momentos curiosos do esporte bretão.

Heróis de "apenas um gol"

Famosos por um gol ou uma partida inesquecível, eles não tiveram uma trajetória marcante no futebol, mas nem por isso deixaram de escrever seu nome na história dele. Nas linhas abaixo, 15 jogadores que "vivem de um gol".

Cocada - Vasco

Lateral-direito mediano, Cocada marcou o gol do título carioca do Vasco contra o Flamengo, em 88. Irmão de Müller, campeão mundial com o São Paulo, entrou em campo aos 41min do segundo tempo e encontrou as redes três minutos depois e foi expulso na comemoração. Com um drible seco em Edinho e um chutaço de longe, escreveu seu nome na história do Clássico dos Milhões.

Vivinho - Vasco

Capitão, volante da Portuguesa, sempre foi considerado um grande marcador. Só não pôde conter Vivinho, em 89, em jogo do Campeonato Brasileiro em São Januário. O vascaíno deu três chapéus no mesmo marcador e fez um golaço. A obra-de-arte rendeu placa para o jogador.

Arinélson - Santos

Carente de ídolos em razão da venda de Giovanni, em 96, para o Barcelona, a torcida santista logo se encantou com Arinélson, que apareceria no ano seguinte. Trazido por Luxemburgo, o jogador revelado pelo Iraty driblou quatro adversários do Vasco e fez um lindo gol na Vila Belmiro.

Dutra - Santos

Dutra, hoje no Sport, viveu seus 15 minutos de fama também na Vila Belmiro. Há 12 anos, o lateral-esquerdo fez o gol que Pelé não conseguiu. Do meio-campo, ele encobriu o goleiro do Bahia e foi premiado com uma placa.

Ricardo Lopes - Portuguesa

Depois de passar pela Portuguesa, Ricardo Lopes jogou por Flamengo e Internacional, mas ficou mesmo lembrado é por um gol marcado contra o São Paulo. No dia em que a Lusa bateu o São Paulo por 7 a 2, em 98, o volante marcou do meio-campo, meio sem querer. Mas um golaço.

Moraes - Santos

Mais uma aposta de Luxemburgo na Vila Belmiro, o atacante Moraes saiu do banco de reservas para fazer, de cabeça, o gol do título paulista de 2007, em decisão contra o São Caetano. Foi seu penúltimo com a camisa do clube. Depois de passar pela Ponte Preta e treinar em separado por alguns meses no Santos, tenta recuperar a carreira no Santo André.

Didi - Corinthians

Didi apareceu no Corinthians em 98 e, na falta de bons atacantes, foi titular ao longo de quase toda a temporada. Sumiu do cenário nacional logo depois, mas ficou marcado por um gol de placa contra o São Paulo, na final perdida do Campeonato Paulista naquele ano. Deixou um zagueiro no chão e encobriu Rogério Ceni.

Pedro Júnior - Grêmio

De um lado, Tinga, Fernandão e Rafael Sobis, nomes do Internacional, campeão mundial de 2006. Do outro, um time modesto do Grêmio, liderado por Mano Menezes. Foi sob essas condições que o atacante gremista Pedro Júnior fez seu nome, marcando o gol do título gaúcho daquele ano. O jogador desviou, de cabeça, um cruzamento certeiro de Marcelo Costa, ainda que nunca mais tenha brilhado.

Henrique - Vasco

Se o Vasco não foi rebaixado quatro temporadas antes de 2008, isso se deve, em grande parte, ao zagueiro Henrique. Na reta final do Brasileiro daquele ano, o jogador marcou um gol heróico, de cabeça, contra o Atlético-PR, mantendo os vascaínos na elite nacional.

Adriano Gabiru - Internacional

Poucos jogadores conheceram os opostos do futebol tão rapidamente quanto Adriano Gabiru. Odiado pela torcida do Inter, ele saiu do banco de reservas para fazer, contra o Barcelona, o gol mais importante da história colorada. Desde então, sua irregular carreira só decaiu, mas nem assim deixou de ter o nome marcado para sempre no Beira-Rio.

Bujica - Flamengo

O Clássico dos Milhões entre Vasco e Flamengo marcava a estréia de Bebeto com a camisa vascaína, em 89. Ao fim da partida, todos só queriam saber do jovem atacante Bujica, então com 20 anos. Pouco falado, ele marcou duas vezes, antes de ver sua carreira se apagar pelos anos seguintes.

Revetria - Cruzeiro

Ao contrário dos outros nomes da lista, Revetria não ficou famoso por um gol, mas sim por três. Na final do Campeonato Mineiro de 77, o uruguaio quase anônimo arrasou com o Atlético-MG, marcando seu nome na história do clássico mais importante de Minas Gerais.

Josimar - Seleção Brasileira

Caso clássico na relação, Josimar entrou para a história em grande estilo, em Copa do Mundo. Acertou dois lindos chutes, contra Irlanda do Norte e Polônia, e chamou a atenção do planeta no Mundial de 86. Convocado às pressas em razão do corte de Édson Boaro, o lateral-direito pouco brilhou após os gols.

Léo - Guarani

Com um lindo chapéu em cima do zagueiro Batata, o atacante Léo, do Guarani, calou um Pacaembu lotado de torcedores corintianos. Foi o grande brilho da carreira do atacante, que jamais repetiu algo parecido pelos clubes em que passou.

Dario Gigena - Ponte Preta

O atacante Dario Gigena escreveu seu nome no clássico de maior rivalidade do interior de São Paulo. Com a camisa da Ponte Preta, fez simplesmente três gols contra o rival Guarani, durante o Brasileiro de 2003. Virou mito em Campinas, mesmo sem fazer mais nada relevante em seguida.

Fonte: Terra

sábado, 6 de junho de 2009

Os "enganations" do futebol brasileiro


Em uma decisão acertada, o Palmeiras deve emprestar o atacante Marquinhos para o Botafogo-RJ.
Vindo do Vitória-BA como uma das maiores revelações do brasileiro 2008 com Willians, Marquinhos tomou conta das manchetes paulistanas e das cabeças dos Palmeirenses.
Puro e ledo engano.
Marquinhos mostra pouquíssimos recursos técnicos como passe, colocaçCao, cruzamentos e chutes à gol.
Não fez sequer uma meia boa partida pelo Palmeiras, e olha que foi muito testado por Luxemburgo.
Talvez o Botafogo ajude Marquinhos a reencontrar seu futebol deixado na Bahia.
Isso traz à tona aquela velha discussão: Os jogadores enganation. Será que Marquinhos é um deles?
O jogador enganation é aquele que sempre achamos que vai arrebentar na partida, jogará bem, é habilidoso mas nunca faz nada, mas no jogo seguinte a gente tem certeza que ele jogará muito, e nada. O jogador enganation nunca é visto como bagre, como mediano, ele é enganation, achamos que é, mas não é.
Existem muitos jogadores que apareceram no nosso futebol e foram, de fato, enganation.
Quer um? Lembram do Adriano, meia "espetacular" do São Paulo, que fez uma jogada maravilhosa e inesquecível na seleção brasileira juniores? Então: enganation.
Vamos pescar a história e trazer mais enganations do nosso lindo futebol brasileiro.

quarta-feira, 3 de junho de 2009